Pular para o conteúdo principal

Futricas Cearenses


No comando do Cidade Alerta, a jornalista Isis Cidade (foto Lino Vieira) nem sempre sonhou em fazer jornalismo. A escolha foi por acaso, mas a descoberta foi certeira. Passando pela TV Universitária de sua faculdade como estagiária e passando como repórter do Grupo Cidade, ela chegou ao comando do Cidade Alerta, principal programa de Jornalismo Policial do Ceará.

A jornalista conversou com a Frisson sobre sua trajetória e sua visão do Jornalismo Policial, bem como sua conduta ética e objetivos para 2023. Confira:

Frisson: Como você escolheu o Jornalismo? Você possuia outra aspiração de profissão, certo?

Isis Cidade: Eu sempre sonhei em ser Fisioterapeuta. Tentei vestibular por três vezes, mas não passei. Foi então que um dia, meu esposo, na época meu namorado, recebeu um panfleto falando a cerca de uma nova faculdade que chegava em Fortaleza, e um dos cursos era Jornalismo (não tinha fisioterapia). Ele me incentivou a fazer. Eu passei e me apaixonei.

Frisson: Você estagiou na TV Universitária. Como ela te ajudou a direcionar a sua carreira para a televisão?

Isis Cidade: A TV Universitária foi um divisor de águas pra mim. Lá eu era estagiária, e ainda cursando Jornalismo, tive a oportunidade de aprender, na prática. Escrever textos, ter postura diante do vídeo, segurar o microfone de forma correta, ter segurança diante das câmeras. Embora fosse uma Tv de canal fechado e com um público mais limitado, a função nos exigia ser tudo que o mercado de trabalho queria para uma profissional de verdade. Na época eu era repórter de um programa de responsabilidade social, mas quando entrei na faculdade, descobri que o meu foco era a área policial, e comecei a me preparar para isso. A minha expectativa era conseguir uma vaga em canal abeto. Foquei nesse objetivo e graças a Deus, consegui.

Frisson: Você foi repórter de rua. Quais dificuldades encontrou com esse cargo? E como você definiria a experiência?

Isis Cidade: Ser repórter de rua é apaixonante. Acredito que conquistar o público é a tarefa mais desafiadora. Como escolhi o Jornalismo Policial, é uma área da nossa profissão muito delicada, já você lida com vidas, com o drama, a tragédia, a morte. É preciso ter jogo de cintura e psicológico pra lhe dar com temas tão sensíveis, afinal, estamos noticiando as mais diversas situações sociais, e o principal, abordando pessoas que são vítimas da violência, em momentos extremamente desesperadores. É uma experiência rica em aprendizado. Ter que trabalhar a sua mente, para abordar os personagens de forma respeitosa, ética e imparcial.

Frisson: Agora como apresentadora e editora do Cidade Alerta, pode falar um pouco sobre o seu trabalho diário?

Isis Cidade: O trabalho diário no Cidade Alerta Ceará consiste em trazer as principais notícias do dia e a atualização dos casos mais relevantes que já estão sendo acompanhados pelo programa. Eu e o jornalista Paulo Edson, que dirige o Cidade Alerta, buscamos também abastecer a edição com fatos novos e flagrantes que são enviados através da população, a nossa produção. O nosso telespectador faz o programa junto com a gente, enviando denúncias e flagrantes.

Frisson: Como o jornalismo policial se difere de outras editorias?

RELACIONADAS


Elmano Freitas, Jade Romero e Camilo Santana concedem entrevistas ao Grupo Cidade de Comunicação


Em visita ao Grupo Cidade, padre Reginaldo Manzotti anuncia "Evangelizar"


Grupo Cidade de Comunicação celebra 44 anos de atuação na Comunicação cearense


Isis Cidade: O jornalismo policial assume características comuns dos telejornais. Em sua editoria, traz assuntos de interesse público como prestação e serviços, cobrança de mais segurança, pedido de justiça, acompanha os casos de maior repercussão e que teve um grande clamor público. Cobra os órgãos como um todo, a solução de problemas como uma rua sem pavimentação ou saneamento básico, mais policiamento. Usamos uma linguagem mais simples. Tem ainda um apelo social muito forte, quando o assunto é conseguir cirurgias para pessoas que há anos estão numa fila de espera, ou transferência de pacientes em estado grave, para unidades que tenham UTI. E em 90% dos casos conseguimos, através de uma matéria, salvar vidas.

Frisson: Quais a dificuldades e facilidades do jornalismo policial no Ceará? Há alguma especificidade?

Isis Cidade: No segmento policial, existem situações em que há uma certa resistência para conseguirmos informações acerca de determinados casos nos locais de crime, por exemplo. Geralmente o ‘clima’ está muito tenso, a família bastante nervosa e revoltada com o fato. É um a situação delicada para abordar alguém que acabou de perder um ente querido. Algumas vezes até mesmo a própria polícia não consegue levantar dados suficientes, pelo menos naquele momento, que possam ajudar o jornalista a formular um texto sobre o que acabou de acontecer. Ou então, as autoridades não repassam mais detalhes para não atrapalhar as investigações. No entanto, na maioria das vezes, todos contribuem para que a matéria seja feita e a notícia seja dada de forma completa.

Frisson: Como você mantém a ética do jornalismo policial? Há algum direcionamento que você segue?

Isis Cidade: Ser ético no jornalismo é uma obrigação. Temos o dever de ser imparcial, falar somente a verdade, ser o mais transparente e profissional possível, e assim respeitar o público que acredita no nosso trabalho e vê no jornalismo, o canal direto para denunciar e cobrar melhorias para a sociedade.

Frisson: E para além do jornalismo, quais são seus hobbies, interesses…?

Isis Cidade: Sou uma pessoa muito tranquila, caseira. Não tenho vida noturna. Amo ficar em casa com minha família. Nos fins-de-semana dou plantão. Quando estou de folga é obrigação ir à missa com minha mãe (hábito que temos desde criança), marido e filho. Também amo ir à praia.

Frisson: Você já chegou a falar que a maternidade mudou sua vida. Pode falar um pouco sobre a mudança e como a Isis Cidade mãe se trasnformou?

Isis Cidade: A maternidade veio para eu desacelerar. Tinha uma rotina só de trabalho. Com um filho senti a necessidade de me resguardar mais. Na primeira oportunidade que tive, optei por sair da reportagem de rua. Graças a Deus a Direção do Grupo Cidade me permitiu esse feito, e sou muito grata a todos por esse meu pedido ter sido aceito com tanto carinho e respeito.

Frisson: Quais são os seus objetivos para 2023?

Isis Cidade: Para 2023, peço a Deus para continuar fazendo parte da Familia Grupo Cidade e seguir fazendo o que mais amo na vida: levar a notícia a nosso público.

Comentários


Comentários

Para comentários públicos, favor utilizar campo ao final da notícia, logo acima da publicidade.

Notícias mais acessadas do mês

Acidente fatal

"Um acidente envolvendo quatro veículos, entre eles um ônibus que fazia o trajeto São Paulo/Ceará, deixou cinco pessoas mortas na BR-135, em Montes Claros, no norte de Minas Gerais, na noite de ontem. De acordo com agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no município, o ônibus teria perdido o freio na descida e atingido um caminhão bitrem, uma carreta e uma moto, em um trevo da rodovia. Entre as vítimas fatais estão um bebê de nove meses, um passageiro e o motorista reserva, que estavam no ônibus, e o condutor da carreta. Uma pessoa chegou a ser socorrida, mas morreu na Santa Casa de Misericórdia de Montes Claros. A mãe do bebê está entre as vítimas feridas. No ônibus haviam 50 passageiros, e os feridos foram atendidos em hospitais da região. Segundo a PRF, o ônibus tinha autorização de viagem e lista de passageiros. ( Redação O POVO Online com informações do G1).

Após 13 anos, polícia prende envolvido em assalto ao BC de Fortaleza

A Polícia Militar do Distrito Federal prendeu hoje (14) Adelilno Angelim de Sousa Neto, de 36 anos, que participou de um dos maiores assaltos do Brasil: o furto ao Banco Central em Fortaleza, em 2005. Na ocasião, a quadrilha levou aproximadamente R$ 164 milhões do caixa-forte – o equivalente a três toneladas e meia de notas de dinheiro. Após 13 anos, o homem que fugiu do Ceará foi preso a 17 quilômetros do Plano Piloto – área central de Brasília. Adelino foi preso em casa, no Paranoá, bairro a 17 quilômetros do centro de Brasília, onde vivia há 5 anos. O homem, que vinha sendo monitorado pela Secretaria de Segurança Pública do DF, foi levado para o Complexo Penitenciário da Papuda e aguardará audiência de custódia. Não é a primeira vez que o suspeito é preso. Ele chegou a ser detido em Fortaleza, foi solto e depois houve um novo pedido de prisão. O furto ao Banco Central de Fortaleza, ficou conhecido no país como um crime cinematográfico. Segundo as investigações, 11 pessoas p

Orgulho Lésbico

 

Ator José Dumont é preso

Informa o jornalista Cláudio Teran : POLÍCIA PRENDE ATOR JOSÉ DUMONT -Cadeia aos 72 anos. Preso em flagrante, nesta quinta-feira (15), ele é acusado de estupro de vulnerável e do grave crime de Pedofilia. Segundo informações da TV UOL, o artista é investigado por manter um relacionamento com um fã de 12 anos. 12 anos de idade! E de guardar vídeos pornôs com crianças em seu celular, fato que a polícia constatou. O FIM DE UMA CARREIRA - Paraibano de Bananeiras, Zé Dumont ganhou fama pelo talento para fazer tipos populares. Atuou em novelas importantes da Televisão, como, "Nos Tempos do Imperador". E foi do elenco da primeira versão de "Pantanal". No filme, "O Homem que Virou Suco", vive um nordestino cuja vida pobre e anônima na construção civil do Sul o torna alguém invisível, como se nem sequer existisse. GLOBO DEMITIU NA HORA -Tão logo o fato veio à público a TV Globo demitiu José Dumont do elenco da novela Todas as Flores, que passa na Globo Play. O FIM

Morre Rolando Boldrin

Informa o G1: O ator, cantor, compositor e apresentador da TV Cultura Rolando Boldrin morreu nesta quarta-feira aos 86 anos, em São Paulo. A causa da morte não foi informada. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein havia 2 meses. O velório será realizado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Com mais de 60 anos de carreira na TV, Rolando Boldrin apresentou o programa musical "Sr. Brasil" por 17 anos. "Ele tirou o Brasil da Gaveta' e fez coro com os artistas mais representativos de todas as regiões do país. Em seu programa, o cenário privilegiava os artesãos brasileiros e era circundado por imagens dos artistas que fizeram a nossa história, escrita, falada e cantada, e que já viajaram, muitos deles 'fora do combinado', conforme costumava dizer Rolando", diz nota da TV Cultura. Boldrin também fez carreira na teledramaturgia. Como ator, Rolando atuou em mais de 30 novelas, como “O Direito de Nascer”; “As Pupilas do Senhor Reitor”; “Os D

Postagens mais visitadas deste blog

Acidente fatal

"Um acidente envolvendo quatro veículos, entre eles um ônibus que fazia o trajeto São Paulo/Ceará, deixou cinco pessoas mortas na BR-135, em Montes Claros, no norte de Minas Gerais, na noite de ontem. De acordo com agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no município, o ônibus teria perdido o freio na descida e atingido um caminhão bitrem, uma carreta e uma moto, em um trevo da rodovia. Entre as vítimas fatais estão um bebê de nove meses, um passageiro e o motorista reserva, que estavam no ônibus, e o condutor da carreta. Uma pessoa chegou a ser socorrida, mas morreu na Santa Casa de Misericórdia de Montes Claros. A mãe do bebê está entre as vítimas feridas. No ônibus haviam 50 passageiros, e os feridos foram atendidos em hospitais da região. Segundo a PRF, o ônibus tinha autorização de viagem e lista de passageiros. ( Redação O POVO Online com informações do G1).

Após 13 anos, polícia prende envolvido em assalto ao BC de Fortaleza

A Polícia Militar do Distrito Federal prendeu hoje (14) Adelilno Angelim de Sousa Neto, de 36 anos, que participou de um dos maiores assaltos do Brasil: o furto ao Banco Central em Fortaleza, em 2005. Na ocasião, a quadrilha levou aproximadamente R$ 164 milhões do caixa-forte – o equivalente a três toneladas e meia de notas de dinheiro. Após 13 anos, o homem que fugiu do Ceará foi preso a 17 quilômetros do Plano Piloto – área central de Brasília. Adelino foi preso em casa, no Paranoá, bairro a 17 quilômetros do centro de Brasília, onde vivia há 5 anos. O homem, que vinha sendo monitorado pela Secretaria de Segurança Pública do DF, foi levado para o Complexo Penitenciário da Papuda e aguardará audiência de custódia. Não é a primeira vez que o suspeito é preso. Ele chegou a ser detido em Fortaleza, foi solto e depois houve um novo pedido de prisão. O furto ao Banco Central de Fortaleza, ficou conhecido no país como um crime cinematográfico. Segundo as investigações, 11 pessoas p

Orgulho Lésbico

 

Ator José Dumont é preso

Informa o jornalista Cláudio Teran : POLÍCIA PRENDE ATOR JOSÉ DUMONT -Cadeia aos 72 anos. Preso em flagrante, nesta quinta-feira (15), ele é acusado de estupro de vulnerável e do grave crime de Pedofilia. Segundo informações da TV UOL, o artista é investigado por manter um relacionamento com um fã de 12 anos. 12 anos de idade! E de guardar vídeos pornôs com crianças em seu celular, fato que a polícia constatou. O FIM DE UMA CARREIRA - Paraibano de Bananeiras, Zé Dumont ganhou fama pelo talento para fazer tipos populares. Atuou em novelas importantes da Televisão, como, "Nos Tempos do Imperador". E foi do elenco da primeira versão de "Pantanal". No filme, "O Homem que Virou Suco", vive um nordestino cuja vida pobre e anônima na construção civil do Sul o torna alguém invisível, como se nem sequer existisse. GLOBO DEMITIU NA HORA -Tão logo o fato veio à público a TV Globo demitiu José Dumont do elenco da novela Todas as Flores, que passa na Globo Play. O FIM

Morre Rolando Boldrin

Informa o G1: O ator, cantor, compositor e apresentador da TV Cultura Rolando Boldrin morreu nesta quarta-feira aos 86 anos, em São Paulo. A causa da morte não foi informada. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein havia 2 meses. O velório será realizado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Com mais de 60 anos de carreira na TV, Rolando Boldrin apresentou o programa musical "Sr. Brasil" por 17 anos. "Ele tirou o Brasil da Gaveta' e fez coro com os artistas mais representativos de todas as regiões do país. Em seu programa, o cenário privilegiava os artesãos brasileiros e era circundado por imagens dos artistas que fizeram a nossa história, escrita, falada e cantada, e que já viajaram, muitos deles 'fora do combinado', conforme costumava dizer Rolando", diz nota da TV Cultura. Boldrin também fez carreira na teledramaturgia. Como ator, Rolando atuou em mais de 30 novelas, como “O Direito de Nascer”; “As Pupilas do Senhor Reitor”; “Os D