Pular para o conteúdo principal

Brasil tem Inflação de 10,06% em 2021



O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, apresentou alta de 0,73% em dezembro, acumulando aumento de 10,06% em 2021.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (11 de janeiro de 2022) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior taxa acumulada no ano desde 2015, quando o IPCA foi de 10,67%.

Com isso, a inflação oficial ficou muito acima do centro da meta de 3,75% definida pelo Conselho Monetário Nacional para o ano de 2021, cujo teto era 5,25%.

De acordo com o IBGE, o resultado foi influenciado principalmente pelo grupo Transportes, que variou 21,03% no acumulado do ano. Em seguida vieram:
  • Habitação, com alta de 13,05%.
  • Alimentação e Bebidas, que aumentou 7,94% em 2021.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro subiu 0,73%, 0,22 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de 0,95% registrada em novembro. Com isso, o ano de 2021 se encerra com variação de 10,06%, acima dos 4,52% registrados em 2020. Em dezembro de 2020, a variação havia sido de 1,35%.

PeríodoTaxa
 Dezembro 2021 0,73%
 Novembro 2021 0,95%
 Dezembro 2020 1,35%
 Acumulado em 202110,06%

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em dezembro. A maior variação veio de Vestuário (2,06%), que acelerou em relação a novembro (0,95%). Na sequência, vieram Artigos de Residência (1,37%) e Alimentação e bebidas (0,84%), grupo este que contribuiu com o maior impacto no índice do mês (0,17 p.p.). Além disso, destacam-se as variações de Habitação (0,74%) e Transportes (0,58%), inferiores às observadas no mês anterior (1,03% e 3,35%, respectivamente). O grupo Saúde e cuidados pessoais, por sua vez, teve alta de 0,75%, após a queda de 0,57% em novembro. Os demais ficaram entre o 0,05% de Educação e o 0,56% de Despesas pessoais.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
NovembroDezembroNovembroDezembro
Índice Geral0,950,730,950,73
Alimentação e Bebidas-0,040,84-0,010,17
Habitação1,030,740,170,12
Artigos de Residência1,031,370,040,05
Vestuário0,952,060,040,09
Transportes3,350,580,720,13
Saúde e Cuidados Pessoais-0,570,75-0,070,09
Despesas Pessoais0,570,560,060,06
Educação0,020,050,000,00
Comunicação0,090,340,000,02
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços 

O resultado do grupo Vestuário (2,06%) foi influenciado principalmente pelas altas das roupas masculinas (2,53%) e roupas femininas (2,00%), que juntas contribuíram com um impacto de 0,05 p.p. no IPCA de dezembro. Os demais itens do grupo também tiveram alta, com destaque para roupas infantis (2,11%) e calçados e acessórios (1,92%). Os preços das joias e bijuterias subiram 1,09%, após a queda de 0,28% no mês anterior.

No grupo dos Artigos de residência (1,37%), as principais contribuições vieram dos itens mobiliário (2,07%) e eletrodomésticos e equipamentos (1,77%). Cabe destacar, ainda, a aceleração dos itens tv, som e informática (0,70%) e consertos e manutenção (0,79%), cujas variações em novembro haviam sido de 0,03% e 0,06%, respectivamente.

Em Alimentação e bebidas (0,84%), o subgrupo alimentação no domicílio passou de alta de 0,04% em novembro para 0,79% em dezembro. O principal destaque foram as frutas (8,60%), cujos preços haviam caído no mês anterior (-0,43%). O mesmo aconteceu com as carnes, que subiram 1,38%, após a queda (-1,38%) observada em novembro. Além disso, os preços do café moído (8,24%) subiram pelo 10º mês consecutivo, acumulando alta de 50,11% no período de março a dezembro. Outro destaque foi a cebola, com alta de 20,94%. No lado das quedas, cabe mencionar o recuo nos preços da batata-inglesa (-14,55%), do tomate (-9,21%) e do leite longa vida (-2,89%).

alimentação fora do domicílio, por sua vez, passou de -0,25% em novembro para 0,98% em dezembro. O lanche e a refeição tiveram variação idêntica (1,08%) e contribuíram, juntos, com 0,06 p.p. no índice do mês.

O grupo Habitação (0,74%) desacelerou em relação ao mês anterior (1,03%), por conta da energia elétrica (0,50%), cuja alta em novembro havia sido de 1,24%. Desde setembro, permanece em vigor a bandeira Escassez Hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos. As variações das áreas foram desde -2,88% em Goiânia, onde houve redução de PIS/COFINS, até 5,61% em Porto Alegre, onde houve reajuste de 14,70% em uma das concessionárias pesquisadas, válido desde 22 de novembro. Em Rio Branco (1,25%), as tarifas foram reajustadas em 10,66% no dia 13 de dezembro.

Ainda em Habitação, a alta do gás encanado (6,55%) deve-se aos reajustes de 17,64% em São Paulo (11,56%), vigente desde 10 de dezembro, e de 6,90% no Rio de Janeiro (0,61%), desde 1º de novembro. A taxa de água e esgoto (0,65%) também subiu em dezembro, consequência dos reajustes de 9,05% em Salvador (8,74%), a partir de 29 de novembro, e de 9,86% no Rio de Janeiro (2,89%), em vigor desde 8 de novembro.

A desaceleração observada no grupo dos Transportes (de 3,35% para 0,58%) é consequência principalmente da queda no preço dos combustíveis (-0,94%), depois de sete meses seguidos de alta. Além da gasolina (-0,67%), também houve recuo nos preços do etanol (-2,96%) e do óleo diesel (-0,33%). O gás veicular (0,68%) foi o único a apresentar alta em dezembro. Entre os demais subitens que compõem o grupo, os destaques foram as passagens aéreas (10,28%), com impacto de 0,06 p.p. no índice do mês, e os transportes por aplicativo (11,75%), que contribuíram com 0,03 p.p. Além disso, os preços dos automóveis novos (1,85%) e usados (0,42%) seguem em alta.

Após a queda de 0,57% em novembro, o grupo Saúde e cuidados pessoais registrou alta de 0,75% em dezembro. Os preços dos itens de higiene pessoal subiram 2,32% e contribuíram com 0,08 p.p. no índice do mês. Os produtos farmacêuticos, por sua vez, tiveram alta de 0,06%, desacelerando em relação ao mês anterior (1,13%).

No que concerne aos índices regionais, todas as áreas pesquisadas tiveram alta em dezembro. A maior variação ocorreu no município de Rio Branco (1,18%), por conta dos itens de higiene pessoal (3,34%) e dos automóveis novos (3,37%). Já o menor resultado foi observado em Brasília (0,46%), onde pesou a queda nos preços da gasolina (-3,38%).

RegiãoPeso Regional (%)Variação (%)Variação Acumulada (%)
NovembroDezembroAno
Rio Branco0,510,821,1811,43
Recife3,921,021,0510,42
Salvador5,991,421,0410,78
Belém3,94-0,030,958,10
São Luís1,620,730,949,91
Aracaju1,030,920,9210,14
Porto Alegre8,610,960,8310,99
Belo Horizonte9,690,920,759,58
Vitória1,861,010,7311,50
Rio de Janeiro9,430,880,708,58
São Paulo32,280,860,709,59
Goiânia4,171,390,5810,31
Fortaleza3,231,060,5510,63
Curitiba8,091,070,5112,73
Campo Grande1,571,470,4710,92
Brasília4,061,040,469,34
Brasil100,000,950,7310,06
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 30 de novembro e 28 de dezembro de 2021 (referência) com os preços vigentes entre 29 de outubro e 29 de novembro de 2021 (base). O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Em virtude da pandemia de COVID-19, o IBGE suspendeu, em 18 de março, a coleta presencial de preços nos locais de compra. A partir dessa data, os preços passaram a ser coletados por outros meios, como sites de internet, telefone ou e-mail. A partir de julho de 2021, o IBGE iniciou a retomada gradual da coleta presencial de preços em alguns estabelecimentos, conforme descrito na Portaria nº 207/2021 da Presidência do IBGE.

IPCA fecha 2021 com alta de 10,06% - O IPCA encerrou o ano com variação de 10,06%, acima dos 4,52% registrados em 2020. Na tabela abaixo, pode-se observar as variações mensais do índice em 2021.

MêsVariação (%) 
MêsTrimestreAno 
Janeiro0,25 0,25 
Fevereiro0,86 1,11 
Março0,932,052,05 
Abril0,31 2,37 
Maio0,83 3,22 
Junho0,531,683,77 
Julho0,96 4,76 
Agosto0,87 5,67 
Setembro1,163,026,90 
Outubro1,25 8,24 
Novembro0,95 9,26 
Dezembro0,732,9610,06 
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços  

O resultado de 2021 foi influenciado principalmente pelo grupo Transportes, que apresentou a maior variação (21,03%) e o maior impacto (4,19 p.p.) no acumulado do ano. Na sequência vieram Habitação (13,05%), que contribuiu com 2,05 p.p., e Alimentação e bebidas (7,94%), com impacto de 1,68 p.p. Juntos, os três grupos responderam por cerca de 79% do IPCA de 2021. Cabe mencionar ainda as variações acumuladas dos grupos Artigos de residência (12,07%) e Vestuário (10,31%). Este último havia sido o único grupo com deflação no ano anterior.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
2020202120202021
Índice Geral4,5210,064,5210,06
Alimentação e Bebidas14,097,942,731,68
Habitação5,2513,050,822,05
Artigos de Residência6,0012,070,230,46
Vestuário-1,1310,31-0,050,45
Transportes1,0321,030,214,19
Saúde e Cuidados Pessoais1,503,700,200,49
Despesas Pessoais1,034,730,110,49
Educação1,132,810,070,17
Comunicação3,421,380,200,08
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços 

A alta de 21,03% do grupo Transportes está relacionada principalmente ao comportamento do preço dos combustíveis (49,02%) ao longo de 2021. A gasolina, subitem de maior peso no IPCA, subiu 47,49%, e o etanol, 62,23%. Apenas nos meses de abril e dezembro houve queda nos preços dos combustíveis. O resultado do grupo também foi impactado pela alta dos automóveis novos (16,16%) e usados (15,05%), principalmente no segundo semestre do ano. Por fim, cabe mencionar as variações das passagens aéreas (17,59%), cujas altas mais intensas ocorreram nos meses de julho, setembro e outubro (35,22%, 28,19% e 33,86%, respectivamente) e dos transportes por aplicativo, que tiveram alta de 33,75% em 2021, em contraste com o que ocorreu em 2020, quando os preços recuaram 5,77%.

Em Habitação (13,05%), a principal contribuição (0,98 p.p.) veio da energia elétrica (21,21%). Nos quatro primeiros meses do ano, vigorou a bandeira amarela, com acréscimo de 1,343 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em maio, foi acionada a bandeira vermelha patamar 1 e, nos três meses seguintes, foi adotada a bandeira vermelha patamar 2, cuja cobrança passou de R$ 6,243 em junho para R$ 9,492 em julho, em função do agravamento da crise hídrica. Os problemas na geração de energia também levaram à criação de uma nova bandeira, intitulada Escassez Hídrica, com acréscimo de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. A bandeira entrou em vigor em setembro e deve ser mantida até abril de 2022. As mudanças no valor da cobrança extra foram decisivas para o resultado do item no IPCA, especialmente nos meses de julho e setembro.

MêsVariação MensalBandeira tarifáriaCobrança adicional  
Janeiro-5,60%AmarelaR$ 1,343 
Fevereiro-0,71%AmarelaR$ 1,343 
Março0,76%AmarelaR$ 1,343 
Abril-0,04%AmarelaR$ 1,343 
Maio5,37%Vermelha 1R$ 4,169 
Junho1,95%Vermelha 2R$ 6,243 
Julho7,88%Vermelha 2R$ 9,492 
Agosto1,10%Vermelha 2R$ 9,492 
Setembro6,47%Escassez HídricaR$ 14,20 
Outubro1,16%Escassez HídricaR$ 14,20 
Novembro1,24%Escassez HídricaR$ 14,20 
Dezembro0,50%Escassez HídricaR$ 14,20 
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços    

Ainda em Habitação, outro destaque foi o gás de botijão (36,99%), cujos preços subiram em todos os meses de 2021. Com isso, o subitem contribuiu com o 2° maior impacto dentro do grupo (0,41 p.p.).

A variação de Alimentação e bebidas (7,94%) foi menor que a do ano anterior (14,09%), quando contribuiu com o maior impacto entre os grupos pesquisados. Na alimentação no domicílio (8,24%), as maiores altas vieram do café moído (50,24%), com impacto de 0,15 p.p., da mandioca (48,08%) e do açúcar refinado (47,87%). Por outro lado, subitens como a batata-inglesa (-22,82%) e o arroz (-16,88%) tiveram queda de preços em 2021. Vale lembrar que o arroz foi um dos principais componentes da alta do grupo em 2020, quando subiu 76,01%.

Nos Artigos de residência (12,07%), os destaques foram os itens mobiliário (15,73%) e eletrodomésticos e equipamentos (13,62%). Além disso, os preços dos produtos de tv, som e informática (10,55%) também subiram em 2021.

O grupo Vestuário (10,31%) fechou 2021 com a quarta maior variação entre os grupos. A alta dos preços no segundo semestre, especialmente nos meses de outubro (1,80%) e dezembro (2,06%) foi decisiva para esse resultado. Os itens com maior variação foram as joias e bijuterias (12,76%) e as roupas masculinas (12,60%), que contribuíram conjuntamente com 0,16 p.p. para o índice fechado do ano.

No que diz respeito aos índices regionais, a região metropolitana de Curitiba (12,73%) foi a que teve a maior variação em 2021, influenciada principalmente pela alta de 51,78% nos preços da gasolina. O menor resultado, por sua vez, ocorreu na região metropolitana de Belém (8,10%), onde as maiores contribuições negativas vieram do arroz (-29,62%) e do açaí (-9,77%).

RegiãoPeso RegionalVariação anual (%)
20202021
Curitiba8,093,9512,73
Vitória1,865,1511,50
Rio Branco0,516,1211,43
Porto Alegre8,614,2210,99
Campo Grande1,576,8510,92
Salvador5,994,3110,78
Fortaleza3,235,7410,63
Recife3,925,6610,42
Goiânia4,174,3310,31
Aracaju1,034,1410,14
São Luís1,625,719,91
São Paulo32,284,409,59
Belo Horizonte9,694,999,58
Brasília4,063,409,34
Rio de Janeiro9,434,098,58
Belém3,944,638,10
Brasil100,004,5210,06
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços   

INPC sobe 0,73% em dezembro - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC teve alta de 0,73% em dezembro, mesma variação do IPCA. O resultado ficou 0,11 p.p. abaixo do registrado no mês anterior (0,84%). Em 2021, o INPC fechou o ano com alta de 10,16%, acima dos 5,45% registrados em 2020. Em dezembro de 2020, a taxa foi de 1,46%.

Após a variação negativa registrada em novembro (-0,03%), os produtos alimentícios tiveram alta de 0,76% em dezembro. Já os não alimentícios tiveram variação menor que a do mês anterior, passando de 1,11% em novembro para 0,72% em dezembro.

Quanto aos índices regionais, todas as áreas registraram variação positiva em dezembro. O menor índice foi observado na região metropolitana de Curitiba (0,29%), por conta da queda nos preços da gasolina (-1,28%) e do etanol (-4,37%). Já a maior variação foi registrada na região metropolitana de Salvador (1,18%), influenciada pelas altas nos preços dos itens de higiene pessoal (3,29%) e da taxa de água e esgoto (8,73%).

RegiãoPeso Regional (%)Variação (%)Variação Acumulada (%)
NovembroDezembroAno
Salvador7,921,311,1811,09
Rio Branco0,720,791,0511,06
Recife5,600,821,0510,18
São Luís3,470,520,999,38
Aracaju1,290,850,929,69
Porto Alegre7,150,950,8811,38
Belém6,950,110,877,75
Belo Horizonte10,350,810,779,55
Goiânia4,431,200,679,48
Rio de Janeiro9,380,690,678,78
São Paulo24,600,770,6010,19
Fortaleza5,160,990,5910,80
Vitória1,910,870,5011,44
Brasília1,971,010,499,83
Campo Grande1,731,300,4510,85
Curitiba7,371,050,2912,84
Brasil100,000,840,7310,16
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços    

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de novembro a 28 de dezembro de 2021 (referência) com os preços vigentes no período de 29 de outubro a 29 de novembro de 2021 (base). O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

INPC fecha o ano com alta de 10,16% - O INPC fechou o ano de 2021 com alta de 10,16%, acima dos 5,45% registrados em 2020. Os alimentícios tiveram alta de 7,71%, enquanto os não alimentícios variaram 10,93%. Em 2020, o grupo Alimentação e bebidas havia apresentado variação de 15,53% e, os não alimentícios, de 2,60%. Na tabela a seguir, os resultados por grupo de produtos e serviços.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
2020202120202021
Índice Geral5,4510,165,4510,16
Alimentação e Bebidas15,537,713,421,86
Habitação5,6913,851,002,43
Artigos de Residência5,3012,740,240,58
Vestuário-1,379,94-0,070,50
Transportes1,5219,290,313,70
Saúde e Cuidados Pessoais1,663,900,200,44
Despesas Pessoais1,265,500,100,43
Educação0,663,290,030,14
Comunicação3,581,290,220,08
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços    

Quanto aos índices regionais, a maior taxa ficou com a região metropolitana de Curitiba (12,84%), especialmente por conta das altas na gasolina (51,78%) e na energia elétrica (24,05%). A menor variação ocorreu na região metropolitana de Belém (7,75%), cujo resultado foi influenciado pelo recuo nos preços do arroz (-29,62%) e do açaí (-9,77%).

RegiãoPeso Regional (%)Variação anual (%) 
20202021 
Curitiba7,374,7512,84 
Vitória1,916,5511,44 
Porto Alegre7,155,2211,38 
Salvador7,924,9911,09 
Rio Branco0,726,9211,06 
Campo Grande1,737,9610,85 
Fortaleza5,166,3210,80 
São Paulo24,605,5510,19 
Recife5,606,5610,18 
Brasília1,974,229,83 
Aracaju1,294,379,69 
Belo Horizonte10,355,859,55 
Goiânia4,435,059,48 
São Luís3,475,589,38 
Rio de Janeiro9,385,088,78 
Belém6,954,327,75 
Brasil100,005,4510,16 
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços    





Comentários


Comentários

Para comentários públicos, favor utilizar campo ao final da notícia, logo acima da publicidade.

Notícias mais acessadas do mês

Fortaleza contrata Wagner Leonardo e Fernando Miguel

Fernando Miguel - O goleiro, que mais passou jogos sem sofrer gols no Brasileirão 2021, Fernando Miguel, é a quarta nova contratação do Fortaleza Esporte Clube para a próxima temporada. O Leão do Pici acertou em definitivo com o ex-atleta do Atlético Goianiense até o final de 2022. Na atual temporada, o goleiro conquistou bons números pela equipe goianiense. Passou 16 partidas seguidas sem levar gol no Brasileiro 2021, tornando-se o goleiro menos vazado no quesito. Além de ser o sexto melhor do ranking em ter feito mais defesas, somando 118. E no de defesas difíceis, foi o quarto colocado com 29. Com a camisa do Dragão, o arqueiro de 1m91cm de altura fez 54 partidas, todas como titular. Disputou Copa Sulamericana, Brasileirão, Copa do Brasil e Campeonato Goiano. O goleiro experiente, de 36 anos, é marcado pelas três temporadas no Vasco da Gama-RJ, além de ter vestido a camisa do Vitória-BA, clube em que mais atuou na carreira. No time baiano, conquistou o bicampeonato estadual (2016 e

SVM demite 23 em uma semana

Atualizada às 13h30 desta terça-feira (18 de janeiro de 2022). O Sistema Verdes Mares (SVM) demitiu, nesta segunda-feira (17 de janeiro de 2022), 22 profissionais: Ricardo Mota (foto). Márcio Dorneles. Paulo Sadat. Wânnyfer Monteiro.  Gleudson Rosa. Tereza Tavares. Marcos Lima. Melquíades Júnior. Vanessa Pinheiro. André Alencar. Paulo Ernesto. Fabiano Rodrigues. Dellano Rios. Nove do Setor de Engenharia da TV Verdes Mares Cariri.

Futricas Cearenses

  O Futricas Cearenses confirma a informação que o repórter Almir Gadelha deixa o Sistema Verdes Mares (SVM), onde se destacou, no quadro Vida Real apresentado na TV Verdes Mares (TVVM). Almir Gadelha, que teve passagem antes pela TV União, vai se dedicar as palestras,  coach, hipnoterapeuta, trabalho com desenvolvimento humano e emocional. "Gravo vídeos que geram despertar nas pessoas!", informa buscando novos projetos em outros canais de Televisão. - Quando você agradece a graça desce sobre sua vida. Essa é a versão mais bonita que eu conheço sobre a palavra agradecer. Agradeça pelas simples coisas da vida! - Reclamar é pedir para que aquilo se repita ou ainda clamar com muita força que aquilo aconteça novamente. Além disso, o ato de reclamar é uma falta de consciência daquilo que você já tem na vida. Agradeça por tudo, por tudo", postou Almir em suas Redes Sociais. Almir Gadelha é: Palestrante. Jornalista. Escritor. Músico. Terapeuta Reiki. Hipnótico.

Morre professor Gustavo Venturi

 Informa o professor Antônio Carlos de Freitas, ex-deputado estadual e ex-secretário de Cultura do Ceará: - Soube há pouco do falecimento do camarada Gustavo Venturi professor da Universidade de São Paulo (USP), sociólogo, militante por uma nova sociedade. Gustavo era um gentleman, finesse a toda prova, sem ser arrogante, soberbo. Um ser humano fantástico, competente e camarada. Lutava contra um câncer, agora virou estrela. - Na verdade um companheiro extremamente competente e camarada. Essa é a lembrança do Gustavo que me chega a mente agora. Muitas reuniões, e lições inesquecíveis que levarei para o resto da vida. Suas pesquisas e análises precisas foram marcantes para o PT, para Fundação Perseu Abramo, para todas e todos que lutam. - Até o próximo encontro companheiro, que seja mais demorado, apreciando aquele bom vinho e degustando aquele papo maravilhoso que nos propiciou nessa sua bela passagem por aqui. Gustavo Venturi! Presente!

De Primeira

O Ceará está no mercado atrás de atacantes. São procurados goleadores para substituir Rick e Cléber que vão para o Exterior.  Rick (foto CSC) vai para Bulgária. Cléber segue para Emirados Árabes Unidos.

Postagens mais visitadas deste blog

Fortaleza contrata Wagner Leonardo e Fernando Miguel

Fernando Miguel - O goleiro, que mais passou jogos sem sofrer gols no Brasileirão 2021, Fernando Miguel, é a quarta nova contratação do Fortaleza Esporte Clube para a próxima temporada. O Leão do Pici acertou em definitivo com o ex-atleta do Atlético Goianiense até o final de 2022. Na atual temporada, o goleiro conquistou bons números pela equipe goianiense. Passou 16 partidas seguidas sem levar gol no Brasileiro 2021, tornando-se o goleiro menos vazado no quesito. Além de ser o sexto melhor do ranking em ter feito mais defesas, somando 118. E no de defesas difíceis, foi o quarto colocado com 29. Com a camisa do Dragão, o arqueiro de 1m91cm de altura fez 54 partidas, todas como titular. Disputou Copa Sulamericana, Brasileirão, Copa do Brasil e Campeonato Goiano. O goleiro experiente, de 36 anos, é marcado pelas três temporadas no Vasco da Gama-RJ, além de ter vestido a camisa do Vitória-BA, clube em que mais atuou na carreira. No time baiano, conquistou o bicampeonato estadual (2016 e

SVM demite 23 em uma semana

Atualizada às 13h30 desta terça-feira (18 de janeiro de 2022). O Sistema Verdes Mares (SVM) demitiu, nesta segunda-feira (17 de janeiro de 2022), 22 profissionais: Ricardo Mota (foto). Márcio Dorneles. Paulo Sadat. Wânnyfer Monteiro.  Gleudson Rosa. Tereza Tavares. Marcos Lima. Melquíades Júnior. Vanessa Pinheiro. André Alencar. Paulo Ernesto. Fabiano Rodrigues. Dellano Rios. Nove do Setor de Engenharia da TV Verdes Mares Cariri.

Futricas Cearenses

  O Futricas Cearenses confirma a informação que o repórter Almir Gadelha deixa o Sistema Verdes Mares (SVM), onde se destacou, no quadro Vida Real apresentado na TV Verdes Mares (TVVM). Almir Gadelha, que teve passagem antes pela TV União, vai se dedicar as palestras,  coach, hipnoterapeuta, trabalho com desenvolvimento humano e emocional. "Gravo vídeos que geram despertar nas pessoas!", informa buscando novos projetos em outros canais de Televisão. - Quando você agradece a graça desce sobre sua vida. Essa é a versão mais bonita que eu conheço sobre a palavra agradecer. Agradeça pelas simples coisas da vida! - Reclamar é pedir para que aquilo se repita ou ainda clamar com muita força que aquilo aconteça novamente. Além disso, o ato de reclamar é uma falta de consciência daquilo que você já tem na vida. Agradeça por tudo, por tudo", postou Almir em suas Redes Sociais. Almir Gadelha é: Palestrante. Jornalista. Escritor. Músico. Terapeuta Reiki. Hipnótico.

Morre professor Gustavo Venturi

 Informa o professor Antônio Carlos de Freitas, ex-deputado estadual e ex-secretário de Cultura do Ceará: - Soube há pouco do falecimento do camarada Gustavo Venturi professor da Universidade de São Paulo (USP), sociólogo, militante por uma nova sociedade. Gustavo era um gentleman, finesse a toda prova, sem ser arrogante, soberbo. Um ser humano fantástico, competente e camarada. Lutava contra um câncer, agora virou estrela. - Na verdade um companheiro extremamente competente e camarada. Essa é a lembrança do Gustavo que me chega a mente agora. Muitas reuniões, e lições inesquecíveis que levarei para o resto da vida. Suas pesquisas e análises precisas foram marcantes para o PT, para Fundação Perseu Abramo, para todas e todos que lutam. - Até o próximo encontro companheiro, que seja mais demorado, apreciando aquele bom vinho e degustando aquele papo maravilhoso que nos propiciou nessa sua bela passagem por aqui. Gustavo Venturi! Presente!

De Primeira

O Ceará está no mercado atrás de atacantes. São procurados goleadores para substituir Rick e Cléber que vão para o Exterior.  Rick (foto CSC) vai para Bulgária. Cléber segue para Emirados Árabes Unidos.