Pular para o conteúdo principal

Senado aprova Auxílio Emergencial de R$ 600,00



O Plenário do Senado aprovou nesta segunda-feira (30) o auxílio emergencial de R$ 600,00 para trabalhadores informais de baixa renda, a ser concedido durante a pandemia do Novo Coronavírus (PL 1.066/2020). A medida durará, a princípio, três meses, mas poderá ser prorrogada. O projeto segue agora para a sanção presidencial. 




O benefício será destinado a cidadãos maiores de idade sem emprego formal, mas que estão na condição de trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI) ou contribuintes da Previdência Social. Também é necessário ter renda familiar mensal inferior a meio salário mínimo per capita ou três salários mínimos no total e não ser beneficiário de outros programas sociais ou do seguro-desemprego.

.
Para cada família beneficiada, a concessão do auxílio ficará limitada a dois membros, de modo que cada grupo familiar poderá receber até R$ 1.200,00. Depois da sanção, o início dos pagamentos dependerá de regulamentação do Poder Executivo.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre — que contraiu a Covid-19 e está afastado, em tratamento —, publicou nas suas redes sociais mensagem na qual pede ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que sancione imediatamente o PL 1.066/2020.



O projeto foi aprovado com ajustes de redação feitos pelo relator, senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), para eliminar dúvidas quanto à aplicação de alguns dispositivos. Como as mudanças não alteram o conteúdo do texto, ele não precisará voltar para a Câmara dos Deputados, onde teve origem.

Os benefícios do Bolsa Família são os únicos que não excluem a possibilidade de receber o auxílio aprovado nesta segunda-feira. Nesse caso, quando o valor do auxílio for mais vantajoso para uma família inscrita no programa Bolsa Família, o auxílio o substituirá automaticamente enquanto durar essa distribuição de renda emergencial.

Os pagamentos serão feitos pelos bancos públicos federais (Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Caixa Econômica Federal) em três parcelas mensais, no mínimo. Os beneficiários receberão o valor em contas criadas especialmente para esse fim, que não exigirão a apresentação de documentos e não terão taxas de manutenção. Será possível fazer uma movimentação gratuita por mês para qualquer outra conta bancária.

Trabalhadores em contratos intermitentes que não estejam em atividade também poderão receber o auxílio, enquanto durar essa condição. Mães solteiras receberão, automaticamente, duas cotas do benefício.

A verificação de renda para receber o auxílio será feita pelo Cadastro Único do Ministério da Cidadania. Trabalhadores informais que não estavam inscritos no Cadastro antes do dia 20 de março poderão participar por autodeclaração.

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado estima que o auxílio emergencial vai beneficiar diretamente 30,5 milhões de cidadãos — cerca de 14% da população do país, segundo os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E a estimativa de seu custo é de R$ 59,9 bilhões em 2020 — o equivalente a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no ano passado. 

Discussão - O senador Alessandro Vieira destacou que o novo coronavírus precipitou a “maior crise sanitária dos últimos 100 anos” para o mundo, o que terá inevitáveis reflexos econômicos sobre a vida da população. Dessa forma, argumentou ele, é preciso garantir recursos para proteger as vidas dos cidadãos.

— Nós não podemos escolher entre ter ou não ter essa crise. Ela está aí, é um fato. Nós podemos, sim, escolher como enfrentá-la e como sair dela. O auxílio é essencial para evitar que, diante de uma situação de desespero, os trabalhadores deixem as suas casas e se exponham à doença para trazer comida para a sua família.

Alessandro também cobrou a rápida sanção e regulamentação da iniciativa, e defendeu que o Congresso pressione o Executivo pela implementação do auxílio.

— O recurso não vai chegar lá na ponta por graça dos nossos discursos, ele não vai chegar lá por "mitada" na internet. É preciso muito trabalho duro no mundo real para garantir que isso aconteça.

O projeto recebeu várias emendas de senadores para que o auxílio fosse estendido a categorias profissionais vulnerabilizadas pela crise, como taxistas, pescadores artesanais, agricultores familiares e catadores. Alessandro Vieira preferiu rejeitar todas as propostas para evitar que o projeto precisasse voltar para a Câmara, mas ressaltou que essas emendas poderão ser incorporadas a projetos que tramitam no Senado e que também tratam de programas de renda mínima. É caso do PL 873/2020, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que poderá ser votado nesta terça-feira (31).

O papel do governo federal na aprovação do auxílio emergencial foi motivo de discordâncias durante a votação do respectivo projeto. O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), atribuiu ao presidente Jair Bolsonaro o valor final de R$ 600, afirmando que o Congresso havia, inicialmente, decidido pelo valor de R$ 500.

— Isso mostra a sensibilidade e o empenho do presidente para levar um valor maior a todos que serão atingidos pelas consequências do combate ao coronavírus — avaliou.

Senadores da oposição, no entanto, lembraram que a iniciativa original do Ministério da Economia previa apenas R$ 200 para cada trabalhador informal, e que o governo não se mobilizou para encaminhar uma proposta formalizada ao Congresso.

Os senadores Randolfe Rodrigues e Paulo Paim (PT-RS) observaram que o presidente poderia ter encaminhado o auxílio emergencial na forma de medida provisória, que já teria validade imediata, mas não o fez. O projeto aprovado nesta segunda-feira teve origem em um texto que já tramitava na Câmara dos Deputados, e só terá validade depois de sanção presidencial e regulamentação pelo Executivo.

Já o senador Humberto Costa (PT-PE) classificou o governo como “fracassado” na reação à pandemia.

— Este governo continua sendo incapaz, incompetente e despreparado. O Congresso precisa estar unido para tentar impedir que o conjunto de ações tresloucadas feitas por esse presidente não venha a prosperar — criticou ele.
Mudanças no BPC

Além do auxílio emergencial, o projeto também trata do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Um de seus efeitos será, na prática, o adiamento das novas regras de concessão para 2021.

Segundo regra promulgada na semana passada, após derrubada de veto presidencial pelo Congresso Nacional, o BPC deve passar a ser concedido a idosos e pessoas com deficiência de famílias que recebam até meio salário mínimo per capita. No entanto, o PL 1.066/2020 indica que essa mudança só valeria a partir de 2021.

Isso acontece porque, originalmente, o único conteúdo do projeto se referia a essa mudança no BPC — quando o texto foi apresentado, o Congresso ainda não havia feito as mudanças que foram aprovadas nesta segunda-feira. O projeto foi usado como veículo para o auxílio emergencial, mas manteve também suas medidas originais.

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) havia apresentado requerimento para que o Senado suprimisse esse dispositivo, presente no texto original, para não prejudicar a aplicação imediata das novas regras para o BPC. No entanto, se houvesse a retirada do dispositivo, o projeto teria que retornar à Câmara dos Deputados, conforme explicaram o senador Alessandro Vieira e o presidente em exercício do Senado, Antonio Anastasia. Zenaide, então, optou por retirar o destaque, para que a questão seja abordada em uma outra proposta a ser apresentada no futuro.

O projeto aprovado nesta segunda-feira até prevê a possibilidade da aplicação antecipada das novas regras, mas somente para casos específicos e apenas enquanto durar o estado de calamidade pública.​ Assim, a aplicação das novas regras não seria universal (não valeria para todos os beneficiários) e teria de seguir critérios como grau de deficiência, grau de dependência da família e comprometimento da renda com despesas médicas.
  • Com informações, foto e quadro da Agência Senado.

Comentários

Entre em contato conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Notícias mais acessadas do mês

BNB tem novo presidente

Reportagem de Idiana Tomazelli e Camila Turtelli, do O Estadão, informa que o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) tem novo presidente.

Sai Romildo Carneiro Rolim e entra Alexandre Borges Cabral (foto), de 58 anos. Alexandre Cabral é funcionário de carreira do BNB, mas que já foi presidente da Casa da Moeda (2016-2019). Foi também gerente, superintendente e assessor executivo da Presidência do BNB, além de coordenador da Secretaria de Turismo do Ceará entre 2004-2007.




O Estadão informa que a indicação de Alexandre Cabral é do deputado federal cearense Júnior Mano-PL (foto) e que mudarão ainda na diretoria do BNB as direções de Administração e Planejamento, saindo junto com Romildo Rolim, os diretores Cláudio Freira (Administração) e Perpétuo Cajazeiras (Planejamento). É dado como certo para diretor administrativo, Haroldo Lima.

PERFIL - Alexandre Borges Cabral é um profissional com mais de 30 anos de experiência na área financeira no BNB e Casa da Moeda; vivência em negociação de empréstimo…

Morre seu Maurício Lima

Neste domingo (24) prestei minhas condolências a amiga jornalista Marlyana Lima.

Trabalhei com ela na Tribuna do Ceará e no Diário do Nordeste. É minha vizinha de condomínio, com quem divido alegrias e tristezas.

Marlyana perdeu pela Covid 19 o pai. Morreu nesta madrugada o seu Maurício Carvalho Lima, de 81 anos.

- Meu pai lutou por mais de um mês contra a Covid. Se foi nessa madrugada. Mas jamais será um número nesse País cruel que não respeita a vida. Era homem simples e de uma generosidade sem tamanho. Deixa minha mãe Raimunda Teixeira Lima viúva e três filhos: Marlyana, Orlando e Reinaldo; e três netos: João Victor, Eric e Maurício Neto. Muito obrigado pela consideração amigo", escreveu Marlyana ao Blog.



Morre jornalista Alexandre Rangel

O presidente do Comitê de Imprensa, Rádio, Televisão e Internet (CIRTI) da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Alexandre Rangel morreu nesta sexta-feira (15), aos 53 anos.
- Meu amigo de Câmara Municipal de Fortaleza, jornalista Alexandre Rangel, que Deus o receba no reino do céu. Meus sentimentos a toda família, você deixará boas lembranças de nossas conversas no Comitê de Imprensa da Câmara. Descanse em paz meu amigo", lamentou o assessor parlamentar Renato Fernandes.

Integrei diretorias do CIRTI como vice-presidente e secretário nas gestões de Alexandre Rangel. Lamento profundamente sua passagem e desejo aos familiares toda força para superar este momento de dor. Toda vez que nos encontrávamos ele, que me chamava de professor, perguntava sobre Política...
O vereador Mairton Felix (PDT) prestou condolências a esposa e filhos de Rangel:
- Meus sinceros sentimentos, que Deus com a sua infinita misericórdia possa confortar os corações de toda família e dos amigos".

O president…

Futricas Cearenses

Kléber Dias (foto) é o novo coordenador de rádios do Sistema Verdes Mares (SVM).

O anuncio foi feito por Guilhermando Duarte:

- Kléber Dias, um amigo especial e grande profissional acaba de ser contratado para atuar na área de rádios do Sistema Verdes Mares", postou Guilhermando Duarte.

Morre Renato Bonfim

Amigo Renato Bonfim Medeiros nos deixou neste sábado (16), aos 83 anos. Ele sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Renato era conselheiro do Fortaleza, representante comercial, corretor de imóveis e bancário aposentado do Banco do Brasil (BB).



Tenho muitas lembranças dele. Fazedor de muitas fórmulas de disputas para o Campeonato Cearense de Futebol. Todos anos me presenteava com uma agenda Tip. Conversávamos muito sobre esporte. Praticava o futebol de salão na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Era funcionário aposentado do Banco do Brasil, onde trabalho de 1965 a 1990. Vendia agendas Tip desde 1970.

Era bastante social. Participava de eventos sociais com constância. De todas Noites das Personalidade Esportivas tomou parte.

Estou deveras sentido.

Descanse em paz, caro Renato Bonfim.


Postagens mais visitadas deste blog

BNB tem novo presidente

Reportagem de Idiana Tomazelli e Camila Turtelli, do O Estadão, informa que o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) tem novo presidente.

Sai Romildo Carneiro Rolim e entra Alexandre Borges Cabral (foto), de 58 anos. Alexandre Cabral é funcionário de carreira do BNB, mas que já foi presidente da Casa da Moeda (2016-2019). Foi também gerente, superintendente e assessor executivo da Presidência do BNB, além de coordenador da Secretaria de Turismo do Ceará entre 2004-2007.




O Estadão informa que a indicação de Alexandre Cabral é do deputado federal cearense Júnior Mano-PL (foto) e que mudarão ainda na diretoria do BNB as direções de Administração e Planejamento, saindo junto com Romildo Rolim, os diretores Cláudio Freira (Administração) e Perpétuo Cajazeiras (Planejamento). É dado como certo para diretor administrativo, Haroldo Lima.

PERFIL - Alexandre Borges Cabral é um profissional com mais de 30 anos de experiência na área financeira no BNB e Casa da Moeda; vivência em negociação de empréstimo…

Morre seu Maurício Lima

Neste domingo (24) prestei minhas condolências a amiga jornalista Marlyana Lima.

Trabalhei com ela na Tribuna do Ceará e no Diário do Nordeste. É minha vizinha de condomínio, com quem divido alegrias e tristezas.

Marlyana perdeu pela Covid 19 o pai. Morreu nesta madrugada o seu Maurício Carvalho Lima, de 81 anos.

- Meu pai lutou por mais de um mês contra a Covid. Se foi nessa madrugada. Mas jamais será um número nesse País cruel que não respeita a vida. Era homem simples e de uma generosidade sem tamanho. Deixa minha mãe Raimunda Teixeira Lima viúva e três filhos: Marlyana, Orlando e Reinaldo; e três netos: João Victor, Eric e Maurício Neto. Muito obrigado pela consideração amigo", escreveu Marlyana ao Blog.



Morre jornalista Alexandre Rangel

O presidente do Comitê de Imprensa, Rádio, Televisão e Internet (CIRTI) da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Alexandre Rangel morreu nesta sexta-feira (15), aos 53 anos.
- Meu amigo de Câmara Municipal de Fortaleza, jornalista Alexandre Rangel, que Deus o receba no reino do céu. Meus sentimentos a toda família, você deixará boas lembranças de nossas conversas no Comitê de Imprensa da Câmara. Descanse em paz meu amigo", lamentou o assessor parlamentar Renato Fernandes.

Integrei diretorias do CIRTI como vice-presidente e secretário nas gestões de Alexandre Rangel. Lamento profundamente sua passagem e desejo aos familiares toda força para superar este momento de dor. Toda vez que nos encontrávamos ele, que me chamava de professor, perguntava sobre Política...
O vereador Mairton Felix (PDT) prestou condolências a esposa e filhos de Rangel:
- Meus sinceros sentimentos, que Deus com a sua infinita misericórdia possa confortar os corações de toda família e dos amigos".

O president…

Futricas Cearenses

Kléber Dias (foto) é o novo coordenador de rádios do Sistema Verdes Mares (SVM).

O anuncio foi feito por Guilhermando Duarte:

- Kléber Dias, um amigo especial e grande profissional acaba de ser contratado para atuar na área de rádios do Sistema Verdes Mares", postou Guilhermando Duarte.

Morre Renato Bonfim

Amigo Renato Bonfim Medeiros nos deixou neste sábado (16), aos 83 anos. Ele sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Renato era conselheiro do Fortaleza, representante comercial, corretor de imóveis e bancário aposentado do Banco do Brasil (BB).



Tenho muitas lembranças dele. Fazedor de muitas fórmulas de disputas para o Campeonato Cearense de Futebol. Todos anos me presenteava com uma agenda Tip. Conversávamos muito sobre esporte. Praticava o futebol de salão na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Era funcionário aposentado do Banco do Brasil, onde trabalho de 1965 a 1990. Vendia agendas Tip desde 1970.

Era bastante social. Participava de eventos sociais com constância. De todas Noites das Personalidade Esportivas tomou parte.

Estou deveras sentido.

Descanse em paz, caro Renato Bonfim.